No rosto, o pão que amassamos.
Na boca, o pão que todos somos.
O sol na noite nevada.
Da fonte fria à fogueira quente.
A minhoca busca a crica,
o tojo cerca o vidoeiro, numa vida em espiral.
O frio manteve-nos quentes.
E cem raios nos abriram.
Partimos tristes mas felizes.
Em três dias mais três,
mais um que são todos.
Somos três mais três
mais três mais três
mais três mais três,
menos um que todos são.

Estamos sós com tudo aquilo que amamos

O Luminoso, o fogo que nos faz ver ao fim do dia.
O Engenhoso, o Bardo da língua de prata,
protector dos artistas, artesãos e ladrões.
A Tripla Mãe, para nascer, viver e morrer.

We spoke of fire in the forest,
From place to place
The night is populated by gods running in circles
Towards the vast pit into which they fall.

Queimados por dentro do assombro
arrastámos o desastre da noite como se fosse luz

Cem Raios t'Abram

2012-2015

cemraiostabram@nofuture.biz